A Casa [Resenha do Filme]


A Netflix mostrou repetidamente seu interesse no cinema espanhol desde o lançamento do filme Sete anos em outubro de 2016, e outros títulos que temos que reconhecer que não obtiveram o sucesso que Klaus teve em seu lançamento. 

Pouco mais de quatro meses se passaram desde a estréia de Klaus até a chegada do novo filme espanhol da Netflix. Refiro-me A Casa, o novo trabalho dos irmãos Pastor, no qual eles apostam totalmente no suspense em que mergulham na mente perturbada de um homem que viveu dias melhores e que inicia uma estranha amizade com um jovem mais novo, homem esse que vive atualmente em seu apartamento anterior.

A Casa é um filme que conta com o talento de Javier Gutiérrez, ator que se tornou referência no cinema espanhol, graças à sua capacidade de brilhar em vários tipos de personagens. Desta vez, ele tem oportunidade de mostrar o seu lado mais obscuro, para demonstrar como a atitude de um homem que foi abandonado pela sorte tenta se manter de pé depois de perder o emprego.

Os primeiros 15 minutos do filme parecem projetados para nos fazer sentir um pouco de pena dele, pois ele é simplesmente alguém tentando se recuperar de uma sequência de derrotas. Gutiérrez sabe refletir muito bem tudo o que o personagem precisa assimilar, a deterioração gradual associada ao fato de que toda esperança de um futuro melhor está desaparecendo passo a passo.


Tudo isso é bem apoiado pelo uso de músicas compostas por Lucas Vidal e até pelo simples toque de uma torneira mal fechada. Lá eles poderiam ter optado perfeitamente por uma explosão do ator, mas isso não ocorre, e o que vemos nos dá a visão de um longa poético. 

No entanto, aqui ele não entra na vida de outras pessoas e depois se torna uma ameaça óbvia. Javier é muito mais inteligente e sibilino, e ele está discretamente cavando um buraco em si mesmo, fazendo tudo o que está ao seu alcance para fazer com que pareça natural, e poderia perfeitamente parecer assim, se assim fosse.

É uma transformação progressiva, sublinhada por momentos específicos, como quando eles nos mostram algo sobrecarregado pelas mensagens de publicidade bem-sucedida. É então que sua invasão da privacidade de outras pessoas dá um passo irreversível que não para até o final do show.

A primeira metade pode não ser magistral, mas é uma maneira mais do que notável de nos apresentar tudo o que o protagonista está passando e o que o leva a entrar em contato com a pessoa que mora em seu antigo apartamento. É como se para ele fosse uma representação do sucesso perdido e ele sente que é realmente ele e não seu novo "amigo" que merece essa vida de sucesso.


Obviamente, os irmãos Pastor sabem como garantir que os eventos não se apressem e o filme mantém um ritmo lento, alinhado com o progresso de seu protagonista. Vemos aqui um homem tentando recuperar algo que não é seu e ele fará de tudo para conseguir. 

Vemos um filme estimulante e divertido, com um ritmo fluido e um ótimo trabalho de seu protagonista. Recomendo para quem gosta de suspenses e longas com altas reflexões vivenciais. 

Você estaria disposto a ter qualquer atitude para recuperar algo que perdeu? 

FICHA TÉCNICA

Título: A Casa
Título Original: Hogar
Direção: Àlex Pastor e David Pastor
Data de lançamento na Netflix: 27 de março de 2020
Nota: 4/5
Netflix

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Olá,
    Até acho interessante essas produções da Netflix
    Mas vi um filme espanhol deles outro dia e não gostei muito
    Quando minha internet melhorar vou dar uma chance a esse, apesar da expectativa baixa

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  2. Esse filme é top

    Beijos
    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Natália.
    Como não sou muito de assistir filmes eu nunca me atento de onde é, diretor essas coisas. E esse não chamou tanto assim a minha atenção para que eu venha assisti-lo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Não tinha ouvido falar do filme. Gostei da sua resenha.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir