As Flores do mal [Resenha Literária]


Suspeito que fora do país Baudelaire seja mais acenado com respeito do que realmente lido. É uma pena, porque se poderia dizer que ele foi o primeiro poeta moderno, alguns autores diziam que ele era “o maior exemplo da poesia moderna em qualquer idioma.”

É tanto uma questão de estado de espírito quanto qualquer outra coisa. Baudelaire foi dado ao devaneio e ao desespero em partes mais ou menos iguais. Ele estava muito consciente da maneira como sua mente estava em outro lugar, inadequada à existência cotidiana. A ideia do poeta que é desdenhoso ou aterrorizado com a vida cotidiana começa ali.

Essa famosa sequência foi publicada pela primeira vez na França em 1857 e foi rapidamente condenada pelas autoridades como uma ofensa à moralidade pública, o que não prejudicou a reputação do poeta. No segundo poema, ele compara o poeta - isto é, ele próprio - a um albatroz, capturado por marinheiros zombadores e retirado de seu elemento natural: “exilado no chão entre chistes vulgares, / as asas de gigante impedem-no de andar”.


Essa é a tradução dada aqui, por Mário Laranjeira; e agora você tem muito menos desculpa para não ler Baudelaire do que antes, pois essa tradução não apenas é uma das melhores traduções para o português, bem como a obra nos presenteia com os poemas que foram condenados naquela época.

Traduzir Baudelaire é provavelmente muito difícil. Você não precisa apenas manter o máximo possível as formas originais dos versos - e Baudelaire era um mestre delas, brincando com as estruturas clássicas do verso francês, tornando-o preciso e fluido ao mesmo tempo - você precisa tentar trazer essa obra para o presente para obter nuances no vocabulário.


Eu não estou dizendo isso para diminuir qualquer coisa, longe de mim, estou apenas ilustrando as dificuldades de traduzi-lo. Temos também na obra um ensaio útil sobre a vida dele, notas úteis e milhares de poemas. Acho que essa é a melhor maneira de entrar no mundo onírico do poeta, produzindo, como diz o título, beleza do mundo sórdido ao seu redor.


As Flores do Mal é uma obra-prima da literatura francesa que deve ter um lugar de destaque em qualquer estante de livros que vale o seu nome, pois de fato, a beleza do mal, com o seu aroma mefítico e tão sedutor, é exatamente do que trata este livro. É uma coleção de poemas e elegias que refletem as visões de Baudelaire sobre nossa pobre condição humana decorrente principalmente de nossas vidas condenadas sobre as quais paira como em A espada de Dâmocles e a inevitabilidade da morte, enquanto continuamos enganando a nós mesmos, perseguindo a sempre evasiva busca de um mundo perfeito, uma existência perfeita e, ousamos dizer, imortalidade. A resposta de Baudelaire a essa nossa situação, por mais tentativa que seja, é o escapismo - escapismo puro, mas principalmente impuro. 


Posso dizer com toda certeza que As Flores do Mal não é um livro para todos os leitores, e que se você estiver procurando por uma leitura para colocar um sorriso em seu rosto, pode procurar em outro lugar. É justo dizer que, com sua poesia magistral, Baudelaire perfura não apenas nosso coração, mas nossa alma. 


Suas palavras nos desnuda completamente e nos vemos pelo que realmente somos - apenas seres humanos vivendo nossas vidas. E que, quando pensamos nisso, não é tão ruim. Ou seja, desde que continuemos lembrando de colocar em prática esta pequena citação de outro mestre de seu gênero: "Tudo o que precisamos decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado" (Gandalf). E, de fato, não importa quanto tempo vivemos, mas quão bem vivemos. Na verdade, As Flores do Mal me ensinou isso. Ah, e O Senhor dos Anéis também, é claro!

FICHA TÉCNICA

Título: As Flores do Mal
Autor: Charles Baudelaire
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Oi, Nat!
    A capa está linda, mas essas folhas meio transparentes iriam me irritar bastante kkkk
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do #SorteiodaAmizade no twitter; três livros, um ganhador

    ResponderExcluir
  2. Olá, Natália.
    Achei essa capa muito linda. Mas esse estilo de leitura não me atrai. Não sou fã de poemas.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Wow, que capa maravilhosa! Só a capa já dá vontade de ler

    Cherry Wine

    ResponderExcluir
  4. Olá, Nat

    Eu não leio poemas, mas mesmo assim conhecia a fama controversa de Baudelaire. Dos poucos poemas que li, nenhum tinha como tema assuntos tão obscuros quanto os dele. Linda edição!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. Quando comecei a ler a resenha, não estava muito afim de ver sobre o livro, mas adorei o que falou sobre ele, apesar de ser uma leitura que não traga sorrisos.

    Gravado na Memória

    ResponderExcluir
  6. Uau arrepiei,com certeza vale a pena a escolha👏👏.
    Seguindo 😉

    ResponderExcluir