Do Fundo da Estante: Shampoo [Nostalgia]


Pelo que li, achei que iria detestar Shampoo. Assisti-lo em pleno 2020, 45 anos depois de sua realização, pode ser pra muitos, acostumados com filmes de ação ininterruptas, um verdadeiro martírio.

Shampoo é uma comédia romântica tipicamente norte-americana protagonizada por um dos atores mais norte-americanos de Hollywood - Warren Beatty. Ele produziu, escreveu o roteiro em parceria com Robert Towne (Oscar por Chinatown) e ainda interpreta o papel principal de George, o cabeleireiro que finge ser gay pra que ninguém desconfie de seu apetite voraz por mulheres.

Ele está noivo de Jill (Goldie Hawn, adorável), e tem um caso com Felícia (Lee Grant, que levou o Oscar de atriz coadjuvante pelo papel) e Jackie (Julie Christie) respectivamente esposa e amante de Lester (Jack Warden, ótimo e o melhor em cena) ricaço que promete ajudá-lo a expandir seu empreendimento. Há também uma subtrama política, já que a história se passa as vésperas da eleição de Richard Nixon em 1968. Nem a filha de Felicia, Lorna (uma ponta da jovem Carrie Fisher) escapa.


Típico filme com cara de sitcom, Shampoo tem aqueles manjados encontros e desencontros de todo o elenco principal. Infelizmente, quando todos ficam frente a frente, o efeito esperado não acontece. Não é pra gargalhar de rir, mas rende alguns momentos divertidos e apesar do carisma do talentoso elenco, nenhum personagem é particularmente marcante. Nem mesmo a personagem de Lee Grant não justifica o Oscar que ela ganhou, derrotando a favorita Lily Tomlin de Nashville. 

Filme simpático pra se ver num fim de noite qualquer, Shampoo teve o azar de ser lançado no mesmo ano que Um Estranho no Ninho, Nashville, Um Dia de Cão, Barry Lydon, Tubarão, Uma Dupla Desajustada e Dersu Uzala, não lhe restando quase nada de prestígio e relevância nos anos seguintes. Os cenários, figurinos e cortes de cabelo datam demais a trama mas não afetam o até hoje em voga "american way of life" em tudo o que ele tem de interessante e descartável. 


O resultado final não é tão ruim quanto dizem e não pra encher muito a bola de Shampoo: é um filme legalzinho. Muito pouco vindo do saudoso diretor Hal Ashby, responsável pelos belíssimos Ensina-me a Viver (1971), A Última Missão (1973), Amargo Regresso (1978) e Muito Além do Jardim (1979).

FICHA TÉCNICA

Título: Shampoo
Direção: Hal Ashby
Data de lançamento no Brasil: 2 de maio de 1975
Nota 3/5

Italo Morelli Jr.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar desse filme. Gosto de comédias românticas e acho que gostaria de assistir essa.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  2. Oiê, ainda não conheci mais parece ser legal. Beijos

    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Italo!
    Não conhecia o filme, mas apesar de parecer - e pela sua opinião - ser daqueles pra ver, passar o tempo e esquecer, acho que vou curtir. Adoro filmes antigos!

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  4. Oi Italo,
    Acredita que não conhecia o filme?
    Até conheço a atriz, mas não pelo título ou premissa. Mas por ser comédia romantica, até assistiria para saber o que acho, pois gosto do gênero.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar do filme, mas há um tempo uma amiga do curso fez com que eu me apaixonasse por filmes antigos e já vou adicionar esse à lista dos que eu preciso assistir.

    Beijos, blog Mais um Capítulo .

    ResponderExcluir