Você nem imagina [Resenha do Filme]


Acredito que nesse momento em que estamos vivendo, podemos aproveitar pra assistir filmes que estipulem bem-estar não? E é exatamente o que temos por aqui!

Você nem imagina, uma comédia romântica cativante que dá a Cyrano de Bergerac uma atualização do século 21, é ostensivamente um filme adolescente. Mas também é o autocuidado de que todos precisamos. Escrito e dirigido com uma inteligência estridente de Alice Wu, e apresentando algumas performances impressionantes, este conto de amadurecimento alegre, autoconsciente e absolutamente adorável mantém um olho nos clássicos literários e cinematográficos e o outro firmemente em um futuro cheio de exploração, auto-expressão e expectativa dinâmica.

Mas primeiro, é claro, vem as coisas difíceis. Quando o filme inicia, a heroína, Ellie Chu (Leah Lewis) está sofrendo silenciosamente durante o último ano, na crise chuvosa de Squahamish, Washington. Suas ambições de frequentar a Grinnell College frustram a lealdade ao pai viúvo. Embora ela ganhe dinheiro extra escrevendo trabalhos para seus colegas de classe menos esforçados, Ellie é uma pessoa de fora, enfrentando os escárnios dos colegas e todo o bullying que cometem com ela. Quando um jogador de futebol gentil e tímido chamado Paul (Daniel Diemer) paga para ela escrever uma carta de amor florida para uma doce e bonita aluna chamada Aster (Alexxis Lemire), Ellie se incomoda, mas não recusa. 


Assim, entra em movimento uma trama familiar de identidades ocultas, paixões reprimidas e reviravoltas inesperadas. Mas nas mãos seguras de Wu, as reversões esperadas dão lugar a ainda mais surpresas, pois Ellie e Paul descobrem até agora verdades ocultas sobre si mesmos e entre si. As mensagens de texto não estavam disponíveis quando Edmond Rostand escreveu a peça original no século XIX. Aqui, Wu usa isso com um efeito inteligente, permitindo que os conflitos internos de seus personagens sejam expressos em tempo real e muitas vezes contraditório. 

Pontilhando a narrativa com trechos de Platão, Camões e Sartre - para não mencionar “Casablanca”, - Wu mantém o diálogo nítido e os sentimentos honestos, conseguindo mergulhar em algum espírito sincero, cheio de questionamentos enquanto coloca seus protagonistas adolescentes através das pressões usuais de conformidade, esnobismo de classe, colegas e pais.


Remanescente de 10 coisas que eu odeio em você em sua combinação vencedora de inteligência e fantasia romântica, Você nem imagina fornece uma vitrine fabulosa para seus jovens atores principais: voz rouca e impecável por trás de um par de um óculos, Chu habita perfeitamente um personagem que pode ser tímido, mas abriga uma fé obstinada em sua própria inteligência. 

No início do longa, Ellie informa o público que ninguém conseguirá o que deseja na história que se segue Mas eles conseguirão o que precisam, em um filme cheio de compaixão por jovens personagens que ainda estão à beira de suas jornadas de vida mais emocionantes e consequentes. Wu impregna toda a narrativa com suprema generosidade, especialmente quando ela se recusa a dar a seus personagens as resoluções que eles desejam, e quais narrativas semelhantes ensinaram o público a desejar por eles. Em vez disso, ela os liberta - para assumir riscos, bagunçar e descobrir as coisas por si só. Em outras palavras, ela lhes dá o final feliz que todo adolescente merece.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Você nem imagina
Título Original: The Half of It
Direção: Alice Wu
Data de Lançamento: 1 de maio de 2020
Nota: 5/5
Netflix

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Oi, Nat

    Eu amei esse filme e estou profundamente ofendida com algumas coisas que ando lendo, sobre as pessoas estarem mais interessadas em pegação lésbica do que na bonita mensagem que a história passa. A maioria dessas pessoas são homens, óbvio. Adorei, deixou meu coração quentinho.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  2. Parece ser um filme bem interessante. Creio que mesmo sendo adolescente, o filme tem muito a ensinar. Gostei da resenha.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus, que análise incrível. Eu achei o filme muito bom, e depois de ler a sua análise o acho ainda mais incrível. Pra mim, é o tipo de filme "adolescente" que tem muito mais sob a superfície.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir