Amor(es) Verdadeiro(s) [Resenha Literária]


Emma Blair não poderia ser uma mulher mais feliz. Casada com seu amor de escola, ela já viajou praticamente o mundo todo ao lado de Jesse por conta de seu trabalho em escrever matérias sobre viagens. Entretanto, um dia antes do primeiro aniversário de casamento dos dois, Jesse é convidado para uma viagem. Durante o percurso, seu avião cai e ele é dado como morto. 

Três anos e meio depois, depois de muito sofrer no luto pelo seu marido, vemos Emma seguir em frente com sua vida. Por obra do destino ela reencontra Sam, um antigo amigo de escola e companheiro de trabalho. Avançamos um ano e os dois estão noivos. Porém, como a vida não é justa, em uma noite Emma recebe um telefonema: era Jesse, avisando que estava retornando para casa. 

O que me levou mesmo a ler Amor(es) Verdadeiro(s) foi o fato de ter sido escrito pela Taylor Jenkins Reid. Os Sete Maridos de Evelyn Hugo e Daisy Jones & The Six circulam entre as melhores leituras dos últimos tempos. Lendo a sinopse, eu sabia que iria encarar um fatídico triângulo amoroso. O que eu não sabia era a quantidade de raiva e frustração que passaria durante a leitura. 


Antes de tudo, entendo muito bem suas dúvidas em relação se volta o casamento ou continua noiva de outro; entendo o lado de Jesse querer que tudo voltasse ao que era antes; entendo mais ainda o fato de Sam se afastar da situação para dar o espaço necessário para que ela tome sua decisão sem alguma influência sua. O que eu não gostei nas suas atitudes nessa confusão toda.

A gota d’água nesse triângulo todo foi o fato de, no momento que Sam se afastou de Emma com o propósito de não influenciar sua decisão, literalmente no dia seguinte ela já estava nos braços (e na cama) do ex-defunto. Como falei no parágrafo anterior, super entendo essa indecisão; afinal, o seu marido não estava morto no fim das contas, então é normal que tudo vire uma loucura na sua vida. Porém, ela ainda estava noiva de outro homem; estava em um outro relacionamento de casamento marcado e tudo. O fato dela sem pensar duas vezes em cair na cama do ex-defunto sem ao menos pensar duas vezes, na minha terra é caracterizado com traição e definitivamente é algo que eu não consigo aceitar nem na vida real e na vida literária.

Quanto a Jesse e Sam, bem… Jesse se mostrou um baita embuste na sua volta, praticamente querendo que Emma e todo mundo que ele conhecia jogasse sua vida para o alto, para voltar ao que era antes. Quase no final do livro, ele põe a mão na consciência e percebe que isso é impossível. Já Sam, coitado… o professor de música ficou ofuscado em meio aos dois personagens que não possuo uma opinião formada sobre ele.


O que tornou a leitura aceitável foi a escrita da Taylor, que é sempre bem fluída. Outro ponto interessante que conseguiu salvar a história para mim foi a relação de Emma com sua irmã, Marie. As duas não se bicavam muito quando adolescentes, mas depois da tragédia na vida de Emma, elas criaram um grande vínculo. A relação de Emma com seus pais também foi bonita de se acompanhar, já que ela também não tinha um bom relacionamento.

A mensagem que Amor(es) Verdadeiro(s) passa é o fato que você sim pode amar duas pessoas na vida, mas tem que saber qual delas é a certa para o momento que está vivendo. Isso concordo plenamente, já que você não permanece o mesmo a vida toda, Mas, infelizmente a execução da autora não funcionou para mim dessa vez.

FICHA TÉCNICA

Título: Amor(es) Verdadeiro(s)
Autor: Taylor Jenkins Reid
Nota: 2/5
Onde Comprar: Amazon


 
Luiza Helena
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Oiii Lu

    Aiii estava esperando por essa resenha tua, até porque sei que vc não tinha gostado mesmo. Sim, foi traição, e as atitudes da Emma não foram legais e nem aceitáveis. O único que entendi foi o Jesse, o trauma que ele viveu, o querer não falar e que tudo volte ao normal como que num desespero de esquecer aqueles anos perdido, isso foi de entender, mas realmente as atitudes da Emma são lamentáveis, com ambos até. O Sam tb não tenho opinião formada sobre ele, ficou ofuscado demais pelos outros.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu! Tudo bom?
    Vish que de um drama bem trabalhado caiu pra traição (sim mesmo, foi traição!!!!) e dois embustianes. Eu não tinha curtido o começo da história, mesmo com a narrativa carismática da Taylor, então vou deixar passar. Pelo jeito não é pra mim.

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu queria tanto ter gostado desse livro, mas infelizmente não rolou.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Oi
    pelo que estou lendo nas resenhas essa história está dando raiva nos leitores, eu tenho vontade de ler livros da autora, mas acho que não leria esse. Pelo enredo tantos anos se passaram depois que o homem foi dado como morto que realmente é impossível tudo voltar a ser como antes.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir