Hackeando Darwin: O surpreendente futuro da humanidade [Resenha do Filme]


Todos nós sabemos que o mundo está mudando. Rápido. Mas sabemos para onde vai? Não exatamente.

Sendo esse o caso, como podemos controlar para onde está indo? E quem é o "nós" no controle? Em Hackeando Darwin: O surpreendente futuro da humanidade  o futurista de tecnologia, especialista em geopolítica, ex-colega da Casa Branca e, como este autor, o dedicado atleta de resistência Jamie Metzl pinta um quadro que é ao mesmo tempo maravilhoso e assustador.

Seu foco, como indica o título do livro, é o impacto da engenharia genética na própria definição do que significa ser humano. As perspectivas beiram o que, alguns anos atrás, seria considerada uma mistura de impossível e, para muitos, imoral. Metzl escreve com grande clareza e um senso de urgência que todos devemos levar a sério.

Seu caso, baseado em uma extrapolação da pesquisa atual, está firmemente fundamentado no que é de fato possível dentro da próxima década ou mais. Esta não é uma extrapolação selvagem de ficção científica, mas já está começando a acontecer, dados os avanços nas técnicas de genômica e edição de genes. Como Metzl, acredito que a conversa sobre aonde isso está nos levando - e como esses avanços devem ser regulamentados - é essencial.


A questão central deste relato acelerado de onde a genética moderna está nos levando é simples: até onde devemos ir para mudar nossa identidade genética? Supondo, em conjunto com a pesquisa atual, que seremos capazes de manipular o genoma humano em um nível de detalhe que permitirá a cura de muitas doenças horríveis: devemos também repensar nosso próprio design? Nesse caso, onde traçamos a linha entre o aceitável e o moralmente repulsivo?

Por bilhões de anos, a vida na Terra evoluiu através do processo de evolução darwiniana por meio da seleção natural: pequenos erros durante a reprodução se propagam de pais para filhos, ocasionalmente oferecendo alguma vantagem de sobrevivência para encontrar comida ou lutar contra inimigos. Se a reprodução fosse perfeita, as únicas criaturas vivas na Terra seriam os organismos unicelulares, nossos ancestrais de 3,5 bilhões de anos. Somos, literalmente, produto de erros reprodutivos e cataclismos planetários. Nós - e todas as outras criaturas vivas - somos os mutantes que sobreviveram em um planeta que lançou muitas bolas curvas em nossa direção. Ainda assim, apesar da notável resiliência da vida, até este ponto a evolução da vida na Terra tem sido um processo passivo. Os genes sofreram mutações aleatórias, sem ninguém no comando.

Isso agora está mudando. Como Metzl escreve corretamente, precisávamos de um talento dramático: "Deste ponto em diante, nossa mutação não será aleatória. Será autodesenvolvida. Desse ponto em diante, nossa seleção não será natural. Será autodirigida."

Estamos prestes a assumir o controle da evolução e reinventar nossa espécie. E, como subproduto, reinventar qualquer outra espécie também.


As águas da intromissão genética são turvas, e Metzl analisa habilmente onde estivemos no passado como uma diretriz para onde tudo isso vai. A eugenia é um exemplo trágico. Controlar a reprodução com o objetivo de melhorar a população humana parece muito com o que fazemos com touros e cavalos de corrida. No entanto, com os humanos fica muito pior, já que diferentes agendas ideológicas culturais e políticas terão visões muito diferentes do que significa "melhoria". Crimes horríveis contra a humanidade foram cometidos em nome de diferentes considerações de "melhoria". Na primeira metade do século 20, dezenas de milhares de pacientes em instituições mentais e criminosos nos Estados Unidos foram esterilizados sem sua aquiescência. Em 1925, Hitler escreveu, "O mais forte deve dominar e não acasalar com o mais fraco." Quatro anos depois de assumir o poder em 1933, os nazistas esterilizaram cerca de 400.000 alemães. E, como todos sabemos, o pior ainda estava por vir.

Pode parecer desnecessariamente alarmista comparar a eugenia com o aprimoramento genético. No entanto, sendo o foco o aprimoramento da raça humana, a diferença está principalmente entre a natureza coercitiva da velha eugenia contra a escolha presumida envolvida na modificação genética. A complicação é que, em um mundo predatório, os pais gostariam de dar aos filhos a melhor vantagem competitiva possível. Se essa vantagem estiver disponível por meio da edição direta do gene, você não gostaria de dá-la ao seu filho? Quem não gostaria que seus filhos tivessem uma vida mais saudável, QI mais alto, longevidade e livres de diferentes doenças genéticas?

O propósito mais nobre da ciência é melhorar a condição humana. Em grande medida, isso significa aliviar o sofrimento. Se chegamos a um ponto em nossa história evolutiva em que somos capazes de projetar um futuro melhor para nossa prole, por que não fazê-lo?


Existem, é claro, razões claras para buscar a edição de genes. Se pudermos curar uma doença genética, seja ela de um único gene ou mais complexa de muitos genes, temos o dever moral de fazê-lo. Mas a tecnologia genética não se restringirá às doenças. Os incentivos das forças do mercado e a boa vontade dos pais e da família farão o máximo para seus filhos. Mas e aqueles que não podem pagar pelo tratamento? Vivemos em um mundo de profunda disparidade econômica, onde poucos detêm a maior parte dos recursos. A extrapolação óbvia que podemos fazer de onde estamos agora para um futuro com modificação genética é que os mesmos poucos que detêm a maioria dos recursos serão os primeiros a usar a nova tecnologia. As consequências de curto prazo seriam devastadoras, uma divisão na humanidade entre aqueles que são geneticamente melhorados e aqueles que não podem ser: super-humanos coexistindo com humanos. A injustiça dessa visão abala o núcleo moral da sociedade.

Não é suficiente confiar que alcançaremos coletivamente uma base moral elevada e compartilharemos equitativamente os frutos da nova tecnologia entre todos. Uma rápida olhada no mundo hoje é suficiente para perceber que isso é simplesmente utópico. Quanto podemos confiar nos governos em todo o mundo para chegar a um conjunto justo de diretrizes regulatórias? Já podemos ver grandes diferenças no estado atual da legislação relacionada aos alimentos e ao uso de terapias com células-tronco, por exemplo. E que líder político optaria por não aumentar sua população, dados os óbvios benefícios competitivos no mercado e, muito importante, militarmente? Metzl traz esse questionamento complexo à vida e nos exorta a "aplicar nossos melhores valores para influenciar como a revolução genética vai se desenrolar". Espero que seu chamado às armas não seja irremediavelmente ingênuo.


Dada a nossa história passada e presente de conflito global, essa mudança profunda em escala global só pode acontecer se nos vermos, antes de mais nada, como uma única espécie, lutando para nos melhorar como um todo. Talvez o argumento convincente, que Metzl não propôs, venha do entendimento de que vencemos pelos números e não pelo isolamento tribal. Essa pode ser a linguagem que tanto os governos quanto as forças de mercado terão que adotar para evitar uma agitação social massiva. Nossa sobrevivência no entanto pode depender completamente disso.

FICHA TÉCNICA

Título: Hackeando Darwin
Autor: Jamie Metzl
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon



Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Eu adoraria ler a obra e fazer os questionamentos que ela trás. Tenho certeza que seria uma experiência diferente.

    Abraço

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  2. Olá, Natália.
    Eu acho o assunto abordado nesse livro muito interessante, mas não sou muito fã de ler livros de não-ficção. A capa está de arrasar.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Olha Nat o tema é muito que relevante, mas é filosofico demais pra mim, real. Ja não tenho muito costume de não ficção, se eu pego um livro desses, eu entalo nele e não leio mais nada por meses KKKKKKK.

    Abraços
    Emerson
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Que legaaal!! Já quero ler, achei bem interessante!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  5. Ótimo artigo, muito bom visitar e ler seus conteúdos! Sempre com qualidade e excelente informações!!!


    Meu Blog: João Pedro

    ResponderExcluir
  6. Oi Natália, tudo bem?

    Gosto bastante de livros com essa premissa, em que o autor nos faz refletir sobre os próximos passos da humanidade. O futuro realmente é muito incerto e às vezes nos faz duvidar no nosso caráter humano quando vemos a falta de empatia que assola o mundo.

    Mas ainda tenho fé que as novas gerações vão fazer um bom trabalho. Já vou colocar esse livro na minha lista!

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir