Do Fundo da Estante: A Bruxa de Blair [Nostalgia]


O estilo Falso Doc nem era novidade, mas a inteligente estratégia de marketing fez muita gente acreditar na veracidade de A Bruxa de Blair. Se o diretor Ruggero Deodato de Canibal Holocausto (1980) só não foi parar na cadeia após levar o elenco vivo a um programa de TV  (quando tudo mundo achava que eles estavam mortos), a dupla Daniel Myrick e Eduardo Sanchez apenas fez fortuna com um filme barato mas com exata noção de ritmo e criatividade: conseguiram transformar uma mentira no assunto do momento e elevaram a nossa Zé Povinho Curiosity a máxima potência. Todo mundo queria ver o que ocorreu com os três jovens metidos a documentaristas que sumiram numa floresta ao buscarem fatos sobre uma tal bruxa sobrenatural.

Os depoimentos carregados de fake news sobre rituais, assassinatos, seitas, psicopatas e é claro, uma bruxa, porque se a culpa é de alguém, só pode ser de uma mulher solteirona que copula com o demônio, disse assim a igreja católica nos tempos da inquisição...

Se o tema hoje merece uma revisão e uma atualização pesada (seria ótimo se uma historiadora escrevesse o roteiro) na época serviu de faísca para uma legião de fãs numa era pré-internet, onde até um cd foi lançando com as músicas que estavam numa fita K-7 encontrada no carro dos jovens. Sério.
Os letreiros oficiais avisam que o que veremos a seguir são imagens encontradas em câmeras achadas numa floresta...será que tais imagens foram editadas pela bruxa?

O trio de atores é péssimo, mas nem isso comprometeu o resultado, que foi além do que esperavam. A atriz Heather Donahue até estampava o cartaz com sua touca de lã e olhos marejados, e foi exatamente esta cena que deveria ser o "momento dramático" típico daquelas cenas selecionadas pro Oscar que arrancou risos das plateias e rendeu inúmeras sátiras.


Enquanto perambulam por uma floresta tentando achar uma saída (tanto de dia quanto de noite) uma tensão crescente de que algo vai dar muito errado permeia a narrativa e, sinceramente, se não é tão memorável assim, também passa longe da mediocridade. Sim, A Bruxa de Blair é tenso. O corre-corre, os gritos e cenas totalmente escuras nos enchem de expectativa para um único frame da bruxa que seja, e que na nossa imaginação tem que ser muito velha, muito feia, muito diabólica e muito assustadora. Um clichê que o cinema colocou em nosso subconsciente.

E se uma jovem linda aparecesse e dissesse: olá, sou a bruxa de Blair e vou matar todos vocês!? Certamente não estaria no contexto de um filme de terror e não seria bem recebido pelo público que anseia pelo horror total.

Então os roteiristas que também são os diretores, apostaram no medo do desconhecido e deu certo. A imaginação e o terror do que você não vê, não consegue ver ou o que acha que viu é o principal motor de A Bruxa de Blair e funciona até hoje.

FICHA TÉCNICA

Título: A Bruxa da Blair
Título original: The Blair Witch Project
Direção: Daniel Myrick, Eduardo Sánchez
Data de lançamento no Brasil: 1 de outubro de 1999


Italo Morelli Jr.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Oi Italo,

    Eu nunca assisti esse filme, mas tenho bastante curiosidade.
    Que bom que os produtores/diretores acertaram no enredo.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Italo!

    Ahh eu adoro esse filme, é bem bacana, ótimo pra assistir nesse mês de terror!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Estou adorando visitar e ler seus conteúdos, são sempre os melhores!


    Meu Blog: Sorteio Mega Sena Hoje

    ResponderExcluir
  4. Olá, Italo.
    Acredita que nunca assisti esse filme? Eu particularmente não gosto desse estilo de filmes que ficam mostrando imagens de uma câmera. Mas foi um sucesso a época.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Nunca assisti esse filme pois eu era muito medrosa quando ele saiu... hoje em dia, quem sabe não me arrisco alguma vez
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir