Cobra Kai [Crítica da série]


Há bastante tempo que vejo propaganda de Cobra Kai no Youtube, mas nunca tive a oportunidade de ver a série, até que ela entrou no catálogo da Netflix. E devo dizer que a produção é excelente, com um ótimo roteiro que vai agradar mesmo aqueles que nunca assistiram Karate Kid antes (embora eu recomende fortemente). Isso porque além de mostrar a rivalidade de Daniel Larusso (Ralph Macchio) e Johnny Lawrence (William Zabka) na vida adulta, ainda aborda uma trama adolescente muito boa! Temos Miguel (Xolo Maridueña), um garoto de família imigrante que sofre bullying na escola (sim, igual o Daniel nos filmes), Samantha (Mary Mouser) - filha do Daniel, Robby (Tanner Buchanan) - o filho do Johnny e um grupo de nerds que usam o ensinamentos do Karatê para revidar os abusos que sofrem.

Cobra Kai é uma série que mexe com nossos sentimentos nostálgicos e se você não viu Karate Kid pode ser levado facilmente a acreditar em tudo que Johnny conta. E não é que ele esteja por completo errado, ele mostra como foi do ponto de vista dele: um garoto que era bem tóxico com a namorada, fazia bullying, mas era carente e tentava agradar o sensei dele, que o impulsionava a fazer coisas erradas. A questão é que ao menos pra mim, apesar de entender tudo que o Johnny passou, não apaga seus erros. O que modifica o personagem de fato são suas atitudes no presente e o mesmo vale para o Daniel. O protagonista de Karate Kid sofreu bastante com os alunos do Cobra Kai e isso inclui o Johnny, por isso até entendo a raiva dele pelo rival, porém, nem tudo do passado justifica certas atitudes do Daniel no presente. 


Daniel ainda é uma pessoa boa, que tem um visão muito clara do que é certo e errado, exceto quando o assunto é Johnny Lawrence, neste ponto o personagem perde a razão algumas vezes. Já Johnny, que me parece o maior protagonista da trama, se tornou um homem símbolo dos anos 80, cheio de ideias politicamente incorretas, mas tenta de alguma forma mudar de vida. O mais interessante é que ao mesmo tempo que Daniel e Johnny se tornam personagens mais complexos, por vezes parecem dois adolescentes presos numa infinita rivalidade sem sentido.

Os dois protagonistas tiveram problemas com figuras paternas no passado e a história nesse ponto também se repete. Johnny foi um péssimo pai e Ronny encontra em Daniel a figura paterna que não teve. Já Miguel, muito parecido com o que Daniel foi, não vive com o pai, que é um homem perigoso, sendo ironicamente o discípulo do Johnny. Essa contradição entre os alunos e os senseis é mais um ponto muito positivo na trama. 


Ainda temos o triângulo entre Miguel, Samantha e Robby e os adolescentes acabam sendo outro tema da rivalidade dos protagonistas adultos. E a série é repleta de bons personagens, os nerds do Karatê são bem carismáticos

Além de um bom drama adulto e adolescente, a série tem ótimos momentos de lutas bem coreografadas, romance e um bom toque de comédia. A terceira temporada estreia em janeiro na Netflix, recomendo a maratona. 

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Oi Mi,
    Estamos nos preparando para maratonar aqui em casa, rs.
    Minha mãe é super fã, eu não gosto tanto, confesso, nunca fui fã dessas lutas e tal, mas gosto do draminha adolescente, rs.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Michele, sua linda, tudo bem?
    Eu adoro Karate Kid, que saudades! Não sabia que agora tínhamos os mesmos atores na fase adulta, que surpresa boa. E gostei muito dos temas que ainda infelizmente são tão atuais. Assim que eu puder irei maratonar. Que ótima dica. Espero que você tenha tido um ótimo Natal e desejo um Feliz Ano Novo com muita esperança.
    beijinhos.
    cila.
    https://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu só enrolo pra assistir essa série real kkkkkkkkk mas um dia sai essa maratona. E eu também não sabia que era o povo adulto do filme
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Ei, Michele, tudo jóia? Eu já ouvi inúmeros comentários positivos em relação a essa série, e que bom que lhe agradou, além de trazer alguns reflexões, isso é sempre bom! Eu já vi no catálogo da Netflix, mas nunca me interessei em assistir de fato, mas vou dar uma conferida. Beijo!


    Books House

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pela recomendação.

    Feliz Ano Novo!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir