A Escavação [Crítica do Filme]


Em maio de 1939, enquanto a Europa caminhava para a guerra, o escavador/arqueológo Basil Brown, contratado para desenterrar os enormes montes na propriedade de Edith Pretty em Suffolk, encontrou algo grandioso.

Contado com simplicidade e graça, e uma sensibilidade para a paisagem pastoral de Suffolk de amplos campos e céus mais amplos, A Escavação é muitas vezes bastante emocionante, especialmente nas fases iniciais do longa, quando apenas Basil e Edith discutem como proceder. Edith teve um interesse jovem em arqueologia e foi aceita na universidade, mas seu pai rejeitou esses planos. Ela cuidou dele durante sua longa doença, e só se casou depois que ele morreu. Essa triste história de fundo é descrita rapidamente, mas está em todo o rosto contraído e determinado de Edith, perseguido pela perda e decepção. Dominada pelo pai por toda a vida, agora viúva, ela toma a decisão de desenterrar aqueles montes, embora a guerra seja iminente.


A primeira metade do filme é principalmente Edith (Carey Mulligan) e Basil (Ralph Fiennes), e há uma dinâmica interessante em ação. Eles vêm de dois mundos e classes totalmente diferentes. Mas eles se cruzam de maneiras importantes. Eles compartilham a paixão pelo conhecimento, pela descoberta das ligações entre épocas e povos. A tumba de Tutancâmon foi escavada em 1922 pelo egiptólogo britânico Harold Carter, a quem Edith cita o nome em um ponto. Ela seria uma adolescente em 1922. Pode-se imaginar como aquele evento que mudou o mundo - e ver aqueles artefatos pela primeira vez - a teria enchido de admiração, e ela tem um pressentimento sobre aqueles montes em seu quintal.

Há momentos de emoção e triunfo, especialmente durante as sequências de descoberta, mas o clima geral é discreto, tranquilo, atencioso. Temos um discurso apaixonado sobre o que significa a "descoberta de Sutton Hoo", e é um elemento temático importante. A sabedoria comum presumia que os anglo-saxões eram violentos saqueadores selvagens, mas os requintados artefatos descobertos mostravam que "eles tinham arte, eles tinham cultura". A descoberta de Sutton Hoo representou uma mudança na consciência em torno de ancestrais e legados compartilhados, e um senso de propriedade sobre o passado coletivo. Esses temas estão todos presentes em ao longo do filme, mas nada é sublinhado ou perfurado para ampliar o significado.


Em vez disso, você vê Edith e Basil travando os olhos pelo buraco no chão, sem palavras, dois forasteiros desajustados percebendo que estavam certos, há algo lá embaixo, e está além de seus sonhos mais selvagens.

Temas de peso são considerados aqui: a questão de quem “possui” a história; os efeitos corrosivos da desigualdade de classe; o entrelaçamento potencialmente trágico de repressão sexual e solidão. Para seu crédito, esta imagem consistentemente interessante e às vezes cativante se recusa a bater em qualquer uma de suas notas com um martelo. Negociar com a grande arte britânica não é algo fácil de se ver, mas vale muito a pena.

Trailer


FICHA TÉCNICA

Título: A Escavação
Direção: Simon Stone
Data de lançamento no Brasil: 14 de janeiro de 2021
Nota: 4/5
Netflix

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário