Death Disco Vol. 2 [Resenha Literária]


Dando continuidade a história de Deathko, a pequena menina assassina, esse segundo volume da trama parte em mais missões perigosas dadas pela Guild, um estranho órgão obscuro que parece policiar o mercado negro e se livrar de pessoas que possam ser consideradas um problema. Mas a personalidade de Deathko está cada vez mais instável. Seria ela realmente uma assassina invencível como faz parecer?

Death Disco Vol 2 tem o mesmo ritmo do volume anterior, apresentando ao leitor novos cenários de violência desenfreada que com certeza vão te carregar rapidamente pelas páginas. Com ilustrações detalhadas e até meio sórdidas, o mangá mescla mistério e ação muito bem, deixando você atento para o que pode acontecer no desenrolar da trama, principalmente pelo fato da protagonista em si ser bem fora do convencional.


O pouco que conhecemos de Deathko só permite que o leitor entenda que ela é extremamente fria e habilidosa na arte de matar. Infelizmente, um ponto que me incomodou no primeiro livro, volta a me incomodar nesse e sinceramente já não sei mais o que supor sobre os rumos dessa jornada. Eu entendo que o recurso de segurar o mistério seja uma cartada muito boa quando falamos de elementos narrativos: você prende o leitor pela curiosidade inata de saber mais, tanto que apesar de ter ficado confuso antes, ainda assim relevei o fator devido a riqueza que tal elemento acrescenta à narrativa.

Nesse segundo momento, porém, não foi possível relevar. O fato do mangaká não revelar absolutamente nada sobre a protagonista e manter tudo sobre a trama no mais interminável enigma, me tornou apático à leitura. Até nos momentos de perigos eu não conseguia sentir qualquer sentimento pela personagem principal, e essa falta de conexão pesa muito para mim, não só porque me sinto perdido no enredo, como também não sinto veracidade e profundidade nas ações dos personagens. Inclusive, acho que a trama não explora bem também os personagens ao redor da principal. 


Até então sabemos que todos são assassinos, trabalham para essa espécie de facção e executam pessoas sob suas ordens. Suas motivações ou como esses alvos são selecionados seguem sendo o mistério. E isso faz a trama parecer repetitiva. Eu não tive qualquer vislumbre de algo diferente do que já havia lido no primeiro mangá. Entendo que a série é extensa e provavelmente respostas sejam dadas mais à frente, mas a mim fica a impressão então de que esse espaço até algo realmente diferente é apenas uma lacuna dispensável.

Um ponto que não posso negar é a qualidade do traço. O mangaká não peca e tanto seus cenários quanto seus personagens são muito bem ilustrados, principalmente os humanos, que passam muito mais peso nas suas expressividades. O traço rústico e pesado só aumenta mais o impacto e a crueldade das mortes.



Enfim, talvez Death Disco não seja um título muito convencional, principalmente quando se trata de recursos narrativos, seguindo formas bem diferentes do esperado, mas, possa ser que agrade os fãs de um horror mais gore e trash, centralizando sempre o lado mais cru de uma cena de assassinato.

FICHA TÉCNICA

Título:Death Disco Vol. 2
Autor: Atsushi Kaneko
Onde Comprar: Amazon e DarkSide® Books


 

Emerson Andrade
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

1 comentários:

  1. Oi, Emerson
    Achei meio bizarro a história, mas se tratando de um anime eu nem me surpreendo porque eles gostam muito dessas paradas assassinas e meio macabras. Achei a ilustração da protagonista meio estranha, talvez porque não esteja acostumada a esse tipo de HQ, mas eu amei o enredo!
    Beijo!
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir