Os Irregulares de Baker Street [Crítica da Série]


Os Irregulares de Baker Street é a nova série da Netflix baseada nos lendários personagens criados por Arthur Conan Doyle. A série acompanha um grupo de jovens marginalizados que, na Londres do século 19, soluciona crimes sobrenaturais em nome do estranho Dr. John Watson (Royce Pierreson) que é parceiro do misterioso Sherlock Holmes (Henry Lloyd-Hughes).

O grupo peculiar é formado por Beatrice (Thaddea Graham) a líder, Jessie (Darci Shaw) sua irmã, a única que tem poderes, Billy (Jojo Macari), Spike (McKell David) que é o garoto mais simpático do grupo e surpreendentemente Leopold (Harrison Osterfield), filho da rainha Vitória que escapa do castelo pra viver a vida que nunca teve. Juntos eles enfrentam vários desafios sobrenaturais e precisam fechar a fenda que faz com que as pessoas ganhem poderes maléficos. No entanto, à medida que as investigações ocorrem, descobrimos que as irmãs protagonistas estão diretamente relacionadas a Sherlock Holmes.


O triângulo amoroso da trama não me agrada muito no começo, mas o roteiro de certa forma resolve logo a situação. Bea é uma garota muito determinada, protetora, corajosa e sua relação com sua irmã é ótima. Jess começa a série um pouco perdida com seus poderes, sendo a única capaz de fechar a fenda, mas aos poucos vai ganhando confiança. Já Billy, Spike e Leopold são personagens mais rasos na trama. Um aspecto também positivo foi ver Watson como um personagem nada agradável, complicado e bem irritante também. Igualmente interessante ver um lado mais humano de Sherlock, um homem que erra não só nas suas decisões, como também nas suas deduções, afetado por uma tragédia no passado. Sua personalidade egocêntrica e egoísta não é vista na série como algo muito positivo.

A Londres Vitoriana é um campo bem explorado pelo gótico, é uma época sombria e com muitas questões macabras que refletiam de certa forma o luto da própria rainha Vitória e essa ambientação escura, estranha e incômoda é muito bem explorada pela série. A trilha sonora também me agradou, bem como a escolha de todo o elenco.


Observando bem é possível ver conveniências no roteiro de Os Irregulares de Baker Street, mas o mistério, o sobrenatural e o suspense se sobressai bastante. A trama principal é bem pensada e a série não cansa, com uma boa quantidade de episódios (8 no total). O final não deixa pontas soltas e encerra satisfatoriamente, mas eu espero logo pela segunda temporada porque os personagens são ótimos e ainda dá pra usá-los um pouco mais.

Trailer


FICHA TÉCNICA

Título: Os Irregulares de Baker Street
Título Original: The Irregulars
Direção: Tom Bidwell
Total de episódios: 8
Netflix

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Olá, Michele.
    Não conhecia essa série ainda. Mas me interessei bastante e vou anotar para assistir futuramente. Porque ultimamente não estou assistindo nada. Acho que esse mês não vou conseguir terminar nenhuma que comecei hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi,
    Eu já adicionei a série antes mesmo do lançamento na minha lista, para ser avisada quando entrasse no catálogo.
    Estou empolgada, acho que dará uma bela maratona. Tomara que eu goste!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá Mi,
    Por coincidência hoje vi essa série no top 5 de uma matéria e ia procurar mais sobre ela. Apesar de não gostar de sobrenatural, por se inspirar em personagens do Arthur Conan Doyle me interessou. Vou deixar a dica gravada para um dia assistir.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir