Do Fundo da Estante: Ruas de Fogo [Crítica do Filme]

A fábula Rock & Roll do diretor Walter Hill é um dos produtos cinematográficos mais americanos dos anos 80: numa cidade noturna pobre com muita fumaça, neon, ruas chuvosas, plataformas de metrô elevadas, becos escuros e armazéns, cheia de gangues, policiais, roqueiros e bebedores de refrigerante, temos o sequestro de Ellen Aim, vocalista de uma banda de rock interpretada por Diane Lane. Ela dubla as canções e sua presença em cena é marcante, compensando sua atuação mediana.

Seu ex namorado Tom Cody (Michael Paré) auxiliado pela durona McCoy (Amy Madigan, ótima) é convocado para trazê-la de volta. Após o fim do namoro, Tom se mudou da cidade (Nova York, talvez) e retorna a fim de encarar toda uma gangue de motoqueiros liderada por Raven (Willem Dafoe), mesmo sem a garantia de reatar o romance, desejo maior de quem assiste o filme.

Esse plot com gangues de rua já foi realizado antes e pelo próprio Walter Hill em Selvagens da Noite (1979) um polêmico thriller que inspirou mais lutas entre seu fãs do que na tela. 

É claro que na comparação, Selvagens...é até superior enquanto cinema e marcou época, mas não tem o charme de Ruas de Fogo com sua trilha sonora irresistível - impossível ficar parado quando toca as já clássicas "Nowhere Fast", "Tonight is what it means to be Young" e "I Can dream about You". Mesmo sem experiência em filmes românticos, o diretor Walter Hill consegue nos convencer que esse conto de fadas urbano e sujinho é tão bom quanto Romeu e Julieta.

Chamar Ruas de Fogo de datado é puro preconceito com a década de 80, seus excessos, erros, acertos e importância histórica para a cultura Pop. O longa é um dos mais representativos de seu período e assistí-lo hoje é sem dúvida, uma prazerosa viagem nostálgica. De tanto ser reverenciado, Ruas de Fogo inspirou o game Streets of Rage criado pela Sega para o Mega Drive.

As cenas dos shows são bem filmadas, dirigidas, fotografadas e editadas, fazendo parecer real aquele show encenado onde Diane dubla de maneira convincente vozes de outras cantoras. 

Deborah Van Valkenburgh, Lee Ving (da banda punk Fear), Rick Moranis e o saudoso Bill Paxton completam o elenco, mas apenas Michael Paré e Deborah voltaram para a desastrosa continuação de 2008 intitulada Road to Hell, cortesia do diretor Albert Pyun, reforçando sua fama de um dos piores diretores da história. Filmado em frente a um telão (????????) Road to Hell traz uma estética ridícula de cores berrantes, transformando o protagonista Cody num psicopata agressor de mulheres. Continuação desnecessária que merece ser esquecida. Fiquem com o original.

FICHA TÉCNICA

Título: Ruas de Fogo
Título Original: Streets of Fire
Direção: Walter Hill
Data de Lançamento: 14 de setembro de 1984

Italo Morelli Jr.

Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Oi Italo,
    Não assisti ao filme e sei que não tem NADA a ver, mas me lembrou o quanto gostei de "Daisy Jones & The Six", então acho que arriscaria assistir sim!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Italo.
    Eu nunca tinha visto falar sobre esse filme, nem sobre a continuação hehe. Mas também não é muito o que gosto de assistir.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Como eu ainda não conhecia ??? Gostei demais da proposta, e preciso ver depois.

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  4. Oi Italo! Não conhecia este filme, gostei da dica e vou procurar para conferir. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Não tinha ouvido falar do filme ainda. Grato por sua resenha.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir