Revolta da Vacina [Resenha Literária]


Revolta da Vacina é uma HQ de Andre Diniz publicada pela DarkSide® Books e que chega num momento bastante oportuno, às vezes, por diferentes motivos, parece mesmo que estamos vivendo em 190. No entanto, rebelião contra as medidas sanitárias e a obrigatoriedade da vacina contra varíola é apenas o pano de fundo para a história de Zelito, um ilustrador que tenta conseguir trabalho no Rio de Janeiro.

Em 1904 o Brasil vivia uma crise social e sanitária. Enquanto o país tentava se ajustar à recente mudança de sistema de governo, de Império para República, proliferavam-se as doenças causadas pelo saneamento precário, e por mosquitos e ratos, como a varíola, a febre amarela e a peste bubônica. O epicentro era o Rio de Janeiro que vivia também uma crise urbanística, já que a população aumentava e a cidade não conseguia comportar a quantidade de gente. As tensões sociais e políticas culminaram com a reforma geral na cidade, em que os cortiços foram fechados, obrigando o povo a buscar outras moradias como nos morros. Oswaldo Cruz idealizou a reforma sanitária e a vacina contra varíola foi obrigatória.


Toda essa ambientação é bem explorada durante a trajetória de Zelito, um jovem ilustrador cearense que parte para o Rio de Janeiro e tem seis meses para provar ao seu pai que poderá construir uma carreira de futuro.

Zelito é um jovem que perdeu o irmão, se sente culpado por isso, mas não quer desistir dos seus sonhos, mas à medida que a história avança é difícil manter empatia por ele. O protagonista é bem grosseiro, tem um temperamento por vezes explosivo e não consegue lidar muito bem com as críticas. Chega a ser antiético as inúmeras tentativas de tirar o ilustrador oficial do jornal, inclusive. E quando finalmente poderia ter uma oportunidade, se comporta de maneira estranha, quase como um perseguidor. Zelito consegue afastar todos que tentam ajudá-lo, principalmente Soledad. Um personagem complexo em um momento bastante complexo também!



Ao final a obra tem uma pós-fácil incrível do historiador Luiz Antonio Simas que nos conta como o ato de civilizar era visto como uma tentativa de impor às pessoas padrões urbanos europeus, principalmente os de Paris. Além da tentativa de "branqueamento" da sociedade e acabar com suas referências africanas. Neste contexto aparece a obrigatoriedade de tomar vacina em uma população já bastante pressionada e com pouca informação. E para Simas, foi apenas um artifício para o protesto de outras questões envolvidas no período.

Além de ter um enredo bem interessante a HQ também é riquíssima em contexto histórico, além da excelente edição DarkSide® Books.

FICHA TÉCNICA

Título: Revolta da Vacina
Autor: André Diniz
Onde Comprar: AmazonDarkSide® Books

 

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. Olá, Michele.
    Esse é um livro que eu não leria, mas acho o tema interessante, principalmente pela época que estamos vivendo. Esse povo alienado de agora que não levam mais seus filhos para vacinar e que está voltando tantas doenças que estavam erradicadas.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi! Acho que o tema caiu bem no momento atual e parece bem interessante. Engraçado como antes não pensávamos muito em assuntos assim, mas eles sempre estiveram presentes. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir