Cherry [Resenha Literária]

Cherry rapidamente se tornou uma sensação. Cumprindo pena de prisão por assalto a banco, Walker escreveu seu romance atrás das grades e ele foi lançado esse ano no país pela editora DarkSide® Books.

O narrador de Cherry conta uma história inexpressiva da jornada de um homem de estudante universitário a médico do exército a viciado em opiáceos e assaltante de banco. Embora não seja explicitamente autobiográfico, o romance reflete muito da própria vida de Walker. Cada passo é subscrito com melancolia.

Imediatamente após o início do romance, o prólogo diz ao leitor exatamente o que está por vir: uma estranha sensação de normalidade no topo de uma grande crise. A imagem que Walker retrata mostra o vício em heroína alimentando a vida de um casal de boa aparência que vive com seu cachorro de estimação. Apesar da aparente normalidade do narrador e de sua namorada Emily, Walker escreve uma história comovente de como o vício engendra a queda desses dois indivíduos.

A voz dele, nunca zangada, mas sempre vívida com a descrição, ajuda o leitor a entender a resposta a uma pergunta que o narrador faz: “Como você se tornou um canalha?” 

A primeira seção do livro, apresenta aos leitores a voz de Walker desde o início, sua voz não é autoconsciente e ele não detecta seus pensamentos, o que parecia uma ocorrência rara em um romance que tratava de assuntos pesados ​​como drogas e crime.


O narrador retransmite a imagem sombria de sua passagem pela faculdade, sentindo-se em grande parte sem propósito. Trabalhando em alguns empregos por um salário mínimo - para distração, mas não por necessidade - e encontrando pouco significado em suas aulas na faculdade, o narrador se sente desconectado e sem inspiração. Quando Emily decide se transferir para a faculdade e um amigo se matricula na Marinha, ele decide dar uma chance ao Exército na tentativa de ganhar perspectiva de sua vida. 

A segunda e terceira seção da obra, dão ao leitor um relato do Exército que reflete o cenário no Iraque, onde a unidade do narrador está desdobrada. A vida no Exército é árida, repetitiva e, em meio à monotonia, violenta.

Walker pinta um quadro sombrio da vida moderna que sugere a causa da espiral descendente do narrador em direção às drogas e roubo. As imagens vívidas de Walker transportam os leitores para a realidade horrível de outra etapa na existência sem sentido do narrador. Apesar de ter um trabalho supostamente significativo como médico do Exército, na realidade ele não tinha muito mais a oferecer aos moradores do que ibuprofeno, embora fosse saudado como um curandeiro para os iraquianos. 

Com pouco mais para fazer ou ansiar, o vemos adquirir pequenas doses de drogas ilegais e álcool para entorpecer a dor de sua existência e pavimentar o caminho para sua queda no vício. Frequentemente, seu  comportamento é descrito com linguagem grosseira, mas Walker não é nada senão verdadeiro neste romance.

Quando ele retorna do Iraque, reencontra sua esposa, diversas coisas acontecem, mas seu amor é real.

Em um estado de depressão após o Exército e seu casamento em ruínas, agora com acesso muito mais fácil ao álcool e às drogas do que no Iraque, ele se encontra mais perdido do que o normal.


Quando comecei a leitura, tudo que eu queria fazer era chegar à parte que explicava o assalto ao banco e a heroína que se tornara parte da rotina diária do aparentemente respeitável casal. Eu olhei para a lista de seções no índice e raciocinei que teria que esperar mais de 200 páginas para entender. Se você está procurando um romance sobre roubos de banco de alto risco e cenas corajosas de abuso de drogas, talvez vá para outro lugar. “Cherry” não é um romance acelerado, mas sim uma narrativa da luta de um homem para encontrar um significado no mundo ao seu redor. 

Ler “Cherry” foi mais do que eu esperava, foi uma explicação lindamente escrita de uma vida que foi descarrilada, não devido às drogas, mas uma sensação de vazio e desejo por mais.

A estada do narrador no Iraque e em bases do Exército nos Estados Unidos, no entanto, me fez entender a armadilha dos opióides e do crime, ao contrário das versões dramatizadas dos assassinatos em série de Ted Bundy ou dos filmes de crimes reais trash que podem fazer o público acreditar. 

O livro nos trás um relato muito mais verdadeiro do que o levou a cometer uma série de roubos do que qualquer outro romance policial ou documentário que encontrei. Walker mostrou e não contou ao leitor como o narrador acabou daquele jeito. Ele não lança uma luz vergonhosa sobre o uso de drogas, mas sim, destaca o alívio que isso lhe trouxe em meio à sua turbulência.

Em meio a suas corridas de drogas e rede de relacionamentos com traficantes, ele percebe que seus vícios e Emily não podem ser alimentados pelo fraudulento colega e pelo golpe de bolsa de estudos que eles têm usado até agora.

Muito diferente de qualquer filme policial já feito, sem treinamento, sem armas e um plano improvisado, ele entra em um banco para seu primeiro assalto.


O raciocínio moral por trás desse ato nada tem a ver com uma pessoa ser boa ou má, segundo ele.

A melhor parte do final, e eu diria, é como ele é sereno. De forma assustadora, o narrador diz que “Ainda tinha esperança. A vida era boa quando você estava cozinhando uma dose de heroína; naquele momento, todo traficante do mundo era seu amigo você não pensava em todas as cagadas, tudo que tinha feito de errado, que tinha desperdiçado.”

Um pouco confuso, este relato encontra beleza em um terreno baldio. Essas linhas finais afirmam claramente os fatos, mas também são complicadas com os dois sentidos de potencial e resignação.

FICHA TÉCNICA

Título: Cherry
Autor: Nico Walker
Onde Comprar: AmazonDarkSide® Books
Nota: 4,5/5

 

Natália Silva

Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário