Você Nasceu Para Isso [Resenha Literária]


Por que amamos observar catástrofes? Já que elas acontecem todos os dias, em grandes e pequenas doses. Diminuímos a velocidade para observar um acidente na beira da estrada; buscamos com fascinação notícias envolvendo todos os tipos de eventos impensáveis; pegamos livros policiais como esse. Às vezes, tenho certeza de que fazemos essas coisas para entender melhor nosso mundo e todos os seus cantos sombrios - às vezes, tenho certeza de que fazemos isso por nenhuma outra razão além da curiosidade mórbida. No romance cáustico de segredos e mentiras de Sacks, os leitores exploram as catástrofes cotidianas das relações interpessoais. Há ciúme, vingança, insegurança, traições e muito mais para ser encontrado nessas páginas, e é essa mistura potente de todas as experiências humanas que dão a Você Nasceu Para Isso àquela pitada emocionante. Este não será um livro para todos; não leia o livro da autora à procura de personagens que o inspirem. As mulheres e os homens que preenchem estas páginas têm uma tendência negativa de ceder aos seus piores impulsos - e um deles é uma catástrofe da qual eu, por exemplo, não pude desviar o olhar.

Os leitores conhecem Merry e Sam enquanto eles estão construindo uma vida para si mesmos no interior da Suécia com seu filho pequeno. A vida deles é de um perfeccionismo quase doloroso: desde a beleza pitoresca do terreno onde sua casa foi construída até a decoração escandinava minimalista do interior da casa, tudo sobre sua reencarnação na Suécia é brilhante e novo. Mas este não seria um livro do gênero se as coisas continuassem assim. Conforme os leitores passam o tempo com Merry e Sam, fica claro que nem tudo é o que parece: no passado de Sam, infidelidades e confidências quebradas; no passado de Merry, mentiras e crueldades próprias.

Se há uma coisa que você precisa saber ao ler este livro, é esta: você não gostará profundamente dos personagens que Michelle Sacks criou, mas vai querer continuar lendo sobre eles de qualquer maneira. Lembra daquele fenômeno que mencionei - aquele em que diminuímos a velocidade para observar acidentes enquanto passamos? Ler essa obra é assim: você vai ceder às suas tendências voyeurísticas, e aposto que você observará com prazer todos os desastres que os personagens de Sacks trazem sobre si mesmos.

Agora, eu sou uma daquelas leitoras que realmente ama um personagem desagradável, contanto que receba complexidade psicológica suficiente e uma história de fundo desenvolvida para fazer sua antipatia fazer sentido. (Em outras palavras, prefiro evitar personagens desagradáveis ​​que parecem ser desagradáveis ​​apenas pelo valor de choque.) Nesse aspecto, essa leitura foi fácil pra mim. Dito isso, entretanto, Sacks usa a antipatia de seus personagens para explorar tópicos relevantes para muitos dos leitores que se verão com este livro tenso em suas mãos. Talvez o mais relevante de tudo seja o mergulho profundo de Sacks nas pressões da maternidade e na agonia quase inimaginável da depressão pós-parto; logo em segundo lugar está seu retrato nítido do mal que as mulheres podem causar umas às outras quando a amizade se torna tóxica.


Durante grande parte do livro - a primeira metade, pelo menos – ele acelera muito, mas com muito pouca direção - é como se você estivesse em um trem que sabe que está feliz por estar ligado, mas você simplesmente não consegue descobrir onde você vai acabar. Esta primeira seção, é importante notar, não parece muito com um romance policial – e sim como um drama interpessoal.

Então, sem aviso, o romance dá uma guinada sombria e angustiante - e foi aí que a escrita de Sacks realmente me agarrou. Não é uma reviravolta na história de forma alguma, mas é um momento crucial na história - e é aquele que o deixa feliz por ter participado da jornada. À medida que os personagens se recuperam de uma ocorrência de mudança de vida, as fragilidades e fissuras em seus relacionamentos são trazidas à tona; o dano psicológico que ambos carregam e infligem um ao outro torna-se bastante claro. Foi aqui que o livro realmente funcionou para mim, e estou confiante de que o leitor paciente se verá recompensado pelas consequências dolorosas e tensas dessa ocorrência. A melhor parte dessa mudança, porém, é como ela destaca para o leitor o quão nitidamente Sacks tem observado a psicologia de seus personagens. É difícil discutir isso sem estragar nada - mas é depois desse momento que os leitores começarão a entender as profundezas da depressão e a toxicidade lancinante que existe na vida e nos relacionamentos de nossos personagens centrais.

Talvez o mais convincente de tudo seja o retrato inflexível de Sacks da depressão pós-parto. Apesar de todas as suas proezas domésticas aparentes, Merry esconde um segredo obscuro. Sob a superfície do exterior plácido de Merry, uma tempestade está se formando... e é a chegada de sua amiga Frank que a fará explodir.

Se a experiência de Merry com seu filho é um retrato angustiante da depressão pós-parto, a amizade de Merry com Frank é uma revelação igualmente angustiante da guerra psicológica que pode ocorrer entre mulheres. Amigas há anos, praticamente irmãs, na verdade, Frank e Merry têm uma longa (e muito complicada) história. Elas se amam, sim, mas também competem entre si - e o fazem de forma cruel. Frank pode ter mais sucesso em sua carreira, mas ela nunca possuiu a elegância inata de Merry; Merry pode ter classe e gosto ao seu lado, mas ela nunca terá a determinação e ousadia de Frank. Agora, eu sei em primeira mão que as amizades femininas são muito mais do que estereótipos de mulheres como "maliciosas" e competitivas - tenho sorte de ter relacionamentos fortes com mulheres que me inspiram todos os dias. Mas também sei em primeira mão que às vezes os amigos mais próximos de nós podem ser aqueles que realmente sabem como nos irritar.


Você Nasceu Para Isso leva uma amizade tóxica ao extremo, isolando-a da sociedade em uma casa remota na Suécia rural. A tensão e claustrofobia entre Frank e Merry zumbem fora da página; os leitores acharão seu relacionamento - senão mais - atraente do que o relacionamento de Merry com seu marido, Sam. Não há nada de aspiracional na maneira como esses dois personagens se tratam, mas certamente há muita complexidade para os leitores desvendarem.

Apesar desse bando de encrenqueiros, os leitores terão dificuldade em encontrar um livro tão repleto de toxicidade interpessoal quanto este. Fãs de personagens desagradáveis ​​acharão a história de Sacks viciante e propulsora; leitores que não têm estômago para eles são melhor atendidos procurando em outro lugar. Esta será uma pílula difícil de engolir para alguns, e uma virada de página totalmente envolvente para outros - inclusive eu.

FICHA TÉCNICA

Título: Você Nasceu Para isso
Autora: Michelle Sacks
Nota: 4
Onde Comprar: Amazon


Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

1 comentários:

  1. Oi, Nat! Tudo bom?
    Eu nunca tinha procurado nada a respeito desse livro, mas até que fiquei curiosa com seus comentários! Essa é uma leitura que dá até medo de ver gente sem capacidade de interpretação de nuance em personagem lendo, né? Eu adooooro personagem de personalidade duvidosa, é muito interessante de ler e acompanhar. Vou dar uma procurada!

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir